Mulher utilizando pagamento contactless via reconhecimento facial

Pagamento contactless: Uma necessidade atual

Shows em lives do Instagram, aplicativos para gerenciamento de home office, aulas EAD para todas as idades, demarcação em caixas de supermercado de distância mínima entre os consumidores. Em nosso atual cenário, o que mais se discute é uma forma de manutenção das atividades com o menor contato humano possível, uma forma de preservação. Com o assunto em alta, alguns itens já existentes no cotidiano brasileiro se potencializam e têm maior procura, um destes é o pagamento contactless.

O governo sul coreano recentemente anunciou que vai retirar as cédulas de dinheiro de circulação por duas semanas e, inclusive, queimar algumas para evitar a proliferação do novo corona vírus, o que fez com que o pagamento contactless fosse ainda mais discutido.

Em sua tradução literal, contactless significa “menos contato”. Dentro dessa categoria de pagamentos, podemos citar o pagamento por aproximação, por reconhecimento facial, reconhecimento de voz ou ainda reconhecimento da íris.

Contactless pelo mundo

Em 2019 havia mais de 100 milhões de clientes registrados na China para o uso de reconhecimento facial. O país tem se mostrado pioneiro no desenvolvimento de tecnologias do setor e sua população é referência na aceitação e consumo dessas novidades.

Nas lojas Alipay, do grupo chinês Alibaba, o pagamento por biometria facial já está disponível. O usuário precisa fazer um cadastro prévio na plataforma da Alipay e ao chegar na loja seleciona essa forma de pagamento, a câmera é ativada e reconhece o rosto do consumidor, confirmando o pagamento.

Com esse mesmo pensamento, a Amazon inaugurou em 2018 sua loja modelo Amazon Go em Seattle – EUA, que permite que o consumidor entre com um QR Code adquirido com um cadastro prévio do usuário no aplicativo, e as centenas de câmeras instaladas no estabelecimento reconhecem o que exatamente aquele usuário retira da prateleira e coloca na sacola, cadastrando automaticamente a compra em sua conta. Depois disso o consumidor apenas sai da loja, sem filas ou caixas e recebe o comprovante de sua compra pelo celular.

Consumidor

Um estudo realizado pela IDC em maio de 2019 intitulado “Como fintechs e bancos podem democratizar os serviços financeiros na América Latina”, constatou que 49% dos brasileiros preferem utilizar o celular para pagar um boleto.

O estudo, que ouviu 1.067 usuários de smartphones (das classes A, B e C), entrevistados online na Colômbia, no México e no Brasil verificou também que seis em cada dez brasileiros das classes A, B e C utilizam meios digitais de pagamentos, como aplicativos próprios.

Ainda, em uma pesquisa feita pela Visa, foi identificado que 98% dos consumidores estão interessados em usar pelo menos um método biométrico para verificar sua identidade e, coincidentemente, 98% também estão interessados em usar pelo menos um método biométrico para fazer pagamentos.

A Oiti é pioneira no desenvolvimento de soluções com biometria facial. Entre em contato conosco ou deixe seus dados que a nossa equipe entre em contato para entender e oferecer as melhores soluções para o seu negócio.